Home » Artigos » Bens Quilombolas Materias e Imateriais (página 3)

Bens Quilombolas Materias e Imateriais

f) congada cívica, ao 13 de maio

Independentemente do acerto ou não do pensamento das elites intelectuais do Movimento Negro, que decretaram a ignomínia de celebrações a essa data, o certo é que a lei da Princesa Isabel não teve o mesmo significado em todas as províncias brasileiras. O Brasil é vário.  Por exemplo, assim como a Ceará que já libertara seus escravos em 1882, houve várias ...

Leia Mais »

BENS QUILOMBOLAS MATERIAIS E IMATERIAIS

A constituição Federal, no § 1º do artigo 215 estatuiu que “O estado protegerá as manifestações das culturas populares, indígenas e afro-brasileiras, e das de outros grupos participantes do processo civilizatório nacional” que tomados individualmente ou em conjunto, são aqueles estatuídos nos incisos do artigo 216 de nossa Carta Magna.  

Leia Mais »

b) os dialetos, as histórias, causos, músicas e danças

Vissungos, Danças e Batuques Quanto às “danças específicas ou comuns das comunidades negras”, destacam-se entre elas, sem dúvida, o batuque e seus derivados, como por exemplo, o lumdum. Se bem que o Estado de Minas em matéria recente referiu-se a “batuque dos pretos” e o “lundum dos brancos”.(!).

Leia Mais »

i) Grêmios Recreativos e Escolas de Samba

Eu nunca tive dúvida de que a gênese das escolas de samba se encontra nas antigas Irmandades do Rosário. Quem tiver dúvida, leia com atenção a famosa descrição da procissão do Triunfo Eucarístico, entre outras, onde a semelhança com tudo que acontece nas atuais passarelas do samba não é mera coincidência[1] . Em Minas Gerais, a Internet oferece os dados ...

Leia Mais »

Dialetos Africanos Falados em Minas Gerais

Dialetos Africanos Falados em Minas Gerais Sobre os dialetos africanos falados em Minas Gerais, a maior preservação cultural feita até hoje acha-se consubstanciada no livro “O Negro e o Garimpo em Minas Gerais”, monumento à cultura mineira, onde Aires da Mata Machado Filho, com a colaboração de seu preposto, Araújo Sobrinho, preservou, entre 1928 a 1938, não só “umas cantigas africanas ...

Leia Mais »